Velto Silva

Poemas profundos e oriundos.

Textos

Chão do mar.
Quem me dera um dia poder deitar no chão do mar, cruzar minhas pernas, ter guelras e poder respirar.
Olhar para o alto, em um límpido sonho ver a natureza em sua mais profunda pureza, ver o sol, ver a lua nua, ser feliz dentro desse ritual saboreando o mais cristalino branco sal.
Ao cair da noite, continuarei lá deitado, protegido com esse manto d’água e com esse céu infinito, lá não haverá o armagedom, haverá muito silêncio sem ruído e sem som.
Lá não haverá dor nem muito menos gritos de horror, o que permeia é o canto suave de uma sereia, estarei distante como o apogeu e também muito próximo como o perigeu.
Invólucro, descobrirei teus insólitos e milenares mistérios, será me dado e confiado esse dom, serei um semideus ou um Possêidon.
Velto Silva
Velto Silva
Enviado por Velto Silva em 03/09/2018
Copyright © 2018. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras