Velto Silva

Poemas profundos e oriundos.

Textos

Senha 0254.
Senha 0254.
O táxi parou, taxímetro desligado, levei mais tempo para pagar do que a corrida de minha casa até o Alma Shopping.
Liguei para a central e pedi um táxi com a máquina de passar cartão (multibanco), taxista chega ouvindo um jogo de futebol no último volume, isto já é comum e até virou folclore aqui.
Quando ligo e peço um táxi com a máquina de passar cartão entendo que o taxista já venha com tudo preparado e com a máquina aberta, sim porque nestas máquinas, quando acaba o dia de trabalho tem de se fazer o fecho do caixa e no dia seguinte a abertura usando sempre um código de 4 dígitos.
Chego no destino o taxímetro é desligado, dou o cartão ao taxista, o mesmo dar um assopro como numa forma de expulsar o estresse, para a minha surpresa ele abre a porta e pega a máquina que estava na mala do carro, para a minha segunda surpresa estava desligada, ao ligar estava sem bateria, foi colocado para carregar uns 5 minutos, enquanto isso, meus tímpanos sendo torturados com um jogo de futebol interminável e ainda com um narrador que era de cortar os pulsos. Finalmente a bateria da máquina foi carregada, o taxista pega meu cartão que ao passar dar um erro, óbvio, pois a anta não havia feito a abertura do dia e estava sempre pedindo desculpas para poder errar mais.
Na abertura do caixa ele esqueceu da senha, fez uma ligação para a central de táxi e alguém lhe disse a mesma para que ele pudesse abrir o multibanco, no telefone ele repete a senha em voz alta para conferir se estava certa.
Da minha casa até o Alma Shopping levei 8 minutos, após o taxímetro ser desligado até eu sair do táxi já em frente ao Shopping levei 18 minutos e ainda ouvi a senha do multibanco que é 0254.
Velto Silva
Velto Silva
Enviado por Velto Silva em 10/08/2018
Copyright © 2018. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras